Respondendo no exílio, carta escrita a ele mesmo.

"Caiocito, você não tem culpa"

Não tenho culpa por ser eu mesmo?
Claro que tenho. Só quero ser julgado pelas minhas leis.
Se quis a soberba, que me condene com a miséria. Nada mais justo.
E se o caso é a vida que eu vivi...
Caiocito, não precisa se matar!
Eles ficam em silêncio, não podem te sentir, não podem te chorar.
E quando tanto me pedirem pra tocar meu paladar,
Pouca aprovação teriam, Caiocito, pelo teu gosto, sinto te dizer.
Porque não tenho o seu tato. E nunca terei o seu tempo.
Nem ao menos no retrato. Caiocito encadernado!

Caiocito, como estava magro em teus versos.
O azul dos teus olhos não coloriram seu inverno.
O quanto fora brega trajado de poeta e vida
O quanto fora míope, ao focar filosofia.
Tal cinismo resenhando os afogados.
Caiocito, e com tanto tempo para ensinar natação.
Seu sorriso na gaveta. Tua alma na sala-de-estar.
Esperando o quê, Caiocito? fumando na banheira!
Caiocito alado, agora alagado, não se culpe!

Vocês vieram mais uma vez. obrigado por tanta honra!
Desculpe a a embriagues, eu tenho que lhes dizer uma coisa
Vocês, meus filhos, nunca tiveram talento pra vida.


"Caiocito, você não tem culpa."



Escrito por Dublês de Poeta às 11h36
[   ] [ envie esta mensagem ]




Entrevista

Fui fazer uma entrevista com Weisse Katze, depois dos cumprimentos e antes mesmo de deixa-lo acender um baseado, fui pegando a minha pauta e pedindo logo um tempinho. Na primeira pergunta, ele não deixou que a completasse, respondendo: “é culpa do ser humano”. E desconfiado perguntava sempre: “você está anotando tudo aí, né?”.

 

Superficial, super ficcional, paradoxal e intuitivo. Lendo um pouco de Weisse Katze todos esses elementos se desvanecem em um texto coerente, melancólico e bonito, como numa batida de jazz. Pode alguém só existir quando escreve? Alguém que, se escondendo atrás das letras, quer se revelar a cada instante.

 

Bild mit weißer Katze, gemalt. Digitale Illustration 

__________________________________________

UMA FESTA PAGÃ para um deus paN. As horas passam. A dor não volta atrás, acelera. Um grito de mulher quebra o silêncio da madrugada. Correr como um lince, morrer no asfalto.

__________________________________________

AQUELA NOITE NÃO FOI apenas uma noite, foi a noite da ‘lei seca’ em que uivamos pra lua no terraço do quarto da casa da Bailarina. Sentia nas veias sujas de sangue sujo avinagrado aquele amor impossível, inviável e antagônico. Apesar de, por dentro, minha revolta com a vida, com o mundo, a minha revolta enlouquecida de álcool, de vinho, de cachaça, uísque e velho barreiro, ouvindo Billie Holliday, Chet Baker  e Marvin Gale... Não pude evitar de tocar aqueles seios negros, sentir o amor estranho amor entre eles. Meu amigo me perdoe defini-lo, ou melhor, não defini-lo um homossexual indefinido de muita força vital, do homem, e do lado feminino estranhamente forte. Essa noite a Bailarina jogou as cartas para ele. Brindamos com bom vinho, cantamos e choramos juntos, à vida. Eu também não podia definir, aquela beleza negra psicoanalizada; aquela beleza negra que já leu filosofia e que, de vida, entende um pouco; aquela voz um pouco rouca e eu, um pouco louco. Não, não estava ao meu alcance entender aquele amor. Um amor de épocas passadas, um amor condenado, um amor de complacência, um amor que nada encontra em si mesmo além dele próprio. Que goza pelo Cu. Que ama uma mulher e um homem. Não eu, ele.                             

                                    Weisse Katze

 



Escrito por Dublês de Poeta às 23h38
[   ] [ envie esta mensagem ]




Dublês de Poeta: O que você está fazendo agora?

Weisse Katze: Abri um blog que vai fazer parte de uma crítica ao Capitalismo. Vão ser publicadas sob o título de “Profissão e Sacerdócio”. São dois ensaios condensados em um só, “Juventude, ideologia e política”. Tem conexão, não tem?

DP: É poesia?

WK: sim, agora enveredando pela prosa, mas a poesia é sempre maior, por ela ir de encontro ao acaso. Mas de qual prosa estou falando? Porque isso consiste em dizer necessariamente que falaríamos da prosa poética. É melhor ser poeta do que escrever poesia.

DP: Viver como poeta?

WK: Mudar os panoramas, seduzir. Registrar isso no papel não é o objetivo central do poeta. O objetivo central do poeta é ser poeta. Aquela coisa: “Deus é um grito na rua”.  A personalidade, poética, sabe o que é isso?

DP: Então por que escrever?

WK: Não sei. Isso marca, estigmatiza e pode até durar uma geração depois, seilá, bem depois.

DP: Quando li “Uma Cidade Meio-Nula”, do livro 4x4, lembrei de Menphis.

KW: Primeira coisa que veio na minha cabeça foi dizer Belô, mas, existem nulos. Outras coisas que me anulam. No fundo a cidade é você mesmo. É Menphis,  no Egito. Não Menphis do Elvis, a original mesmo. E sabe o que tem de interessante lá? Nada. Nem conheço. É  o nome mais bonito depois de Dublin. Você sabe que mesfisto é a voz do capitalismo, né?

DP: Mesmo você dizendo que não, tem muito humor no que escreve. Isso é uma forma de humor?

KW: Prefiro um tipo mais sutil de sarcasmo. Satiricon, Petrarca.

DP: Eu falo isso porque você é muito engraçado.

KW: eu acho ótimo, devo agradecer? (risos)

DP: Você é uma sátira de algo  que eu desconheço o original. Sem um pouco de sátira não  existe Vinícius de Moraes.

 

(Weisse Katze começa a recitar Vinícius, faz uma pausa para dizer que são 23 horas e 23minutos,  e que isso era muito interessante, e volta a recitar Vinicius)

De repente do riso fez se o pranto / silencioso e brando com a bruma / das bocas unidas fez-se a espuma /  e das mãos espalmadas fez o espanto / de repente da calma fez-se o vento...

WK: existe um Sarcasmo nisso, nos versos finais.

 

Fez se triste o que se fez amante /e de sozinho o que se fez contente.

 

Talvez fosse mesmo um sarcasmo recitar Vinícius as 23:23h. Mas sempre foi assim, como uma indecifrável festa pagã. E se é indecifrável e efêmera toda festa, é culpa do ser humano.



Escrito por Dublês de Poeta às 23h34
[   ] [ envie esta mensagem ]




Prosa e verso 

 

Seria bastante, o quanto divertido, se estagiário fosse, de um jornal matutino.

Educadas seriam pessoas, se a propósito simpáticas. Mesmo quando cretinas.

Estrangeiras da minha gramática. Zombariam da sintaxe agarrada nos meus dentes.

Devolveria o sorriso, para pouco inteligentes de olhares perscrutadores.

Deixariam por um momento, nem que supostamente, unimportant losers.

 

A mentira tem boa opinião.

 

Alguma gente já chegou ao fim do poço? Perder o dinheiro ou a razão. Quem sabe até, dividir a ração com os porcos, como naquela famosa parábola da bíblia, do filho pródigo. As vezes divago, “como é bom estar no fundo”. Se a seco reconheço, não ter água, por  não ter fundo, no fundo do poço que desço. Não, o fundo do poço não tem fundo. Que ótimo! Viver de aparências. Você aparenta ser quem? A mentira tem boa opinião. Adorei tal sugestão: a mentira tem boa opinião. Vou sair na rua com uma camiseta estampando a frase: “Sou feliz por ser Ateu”. Prefiro ser ateu a ser pagão. Mas a questão é que sou feliz demais para ser ateu. Ser ateu é antes de tudo, virar adulto cedo demais.

 

Hoje eu fui reler uma resenha que não escrevi, sobre um livro que não li. Que maravilhoso tal autenticidade. Sendo assim sempre orgulhoso da própria vaidade. Que pernóstico sou eu, crítica intuitiva. A imparcialidade da composição. Acredito na imitação como paródia. Tudo que imita ou já imitou o original. A essência do lado de fora. Se o que pensamos que somos é sempre superior ao que realmente somos, a mentira tem sempre uma boa opinião. 



Escrito por Dublês de Poeta às 14h16
[   ] [ envie esta mensagem ]




Links - Frases minhas/para mim - que vão ao meu encontro.

Conheci ele quando entrou na minha sala de jornalismo, ou melhor, invadiu minha sala. Foi um furacão. Ele conseguiu brigar com todo mundo e ganhar todas as discussões.

Acreditamos que o primeiro conceito de alienação é a convivência com as pessoas. E que a solidão é o único caminho para a liberdade 

O Resto é merda, que se defendam... e tenho dito.



Escrito por Dublês de Poeta às 16h21
[   ] [ envie esta mensagem ]




Blogmício.

 

Se você gosta do Brasil, você é de esquerda.  Se você gosta da história do Brasil, você é de esquerda. Se você gosta de Caetano, ou Chico Buarque, você é de esquerda. Se você gosta dos versos de Castro Alves, você é de esquerda. Se você um dia já citou a revolta de zumbi, você é um esquerdista fanático. Se você se emociona com a letra do hino nacional, você é um esquerdista fanático.Se você adora espaços públicos e gratuitos, você é de esquerda. Se você nunca cometeu nada disso, pense, reflita direito...



Escrito por Dublês de Poeta às 13h45
[   ] [ envie esta mensagem ]




 



Escrito por Dublês de Poeta às 13h42
[   ] [ envie esta mensagem ]


[ ver mensagens anteriores ]
Autores:

Caiocito Campos, sofista inventor de teses obscuras e opinista esteta comportamental.

Plínia Campos, advogada que está quase fazendo qualquer coisa, sendo este quase, mínimo.

dublesdepoeta@yahoo.com.br


 
Histórico
   01/12/2009 a 31/12/2009
   01/08/2009 a 31/08/2009
   01/07/2009 a 31/07/2009
   01/06/2009 a 30/06/2009
   01/05/2009 a 31/05/2009
   01/04/2009 a 30/04/2009
   01/02/2009 a 28/02/2009
   01/01/2009 a 31/01/2009
   01/12/2008 a 31/12/2008
   01/11/2008 a 30/11/2008
   01/10/2008 a 31/10/2008
   01/09/2008 a 30/09/2008
   01/08/2008 a 31/08/2008
   01/07/2008 a 31/07/2008
   01/06/2008 a 30/06/2008
   01/05/2008 a 31/05/2008
   01/04/2008 a 30/04/2008
   01/03/2008 a 31/03/2008
   01/02/2008 a 29/02/2008
   01/01/2008 a 31/01/2008
   01/12/2007 a 31/12/2007
   01/11/2007 a 30/11/2007
   01/10/2007 a 31/10/2007
   01/08/2007 a 31/08/2007
   01/07/2007 a 31/07/2007
   01/05/2007 a 31/05/2007
   01/04/2007 a 30/04/2007
   01/03/2007 a 31/03/2007
   01/02/2007 a 28/02/2007
   01/01/2007 a 31/01/2007
   01/12/2006 a 31/12/2006
   01/11/2006 a 30/11/2006
   01/10/2006 a 31/10/2006
   01/09/2006 a 30/09/2006
   01/08/2006 a 31/08/2006
   01/07/2006 a 31/07/2006
   01/06/2006 a 30/06/2006
   01/05/2006 a 31/05/2006
   01/04/2006 a 30/04/2006
   01/03/2006 a 31/03/2006
   01/02/2006 a 28/02/2006
   01/01/2006 a 31/01/2006
   01/12/2005 a 31/12/2005
   01/11/2005 a 30/11/2005
   01/10/2005 a 31/10/2005
   01/09/2005 a 30/09/2005
   01/08/2005 a 31/08/2005
   01/07/2005 a 31/07/2005
   01/06/2005 a 30/06/2005
   01/05/2005 a 31/05/2005
   01/04/2005 a 30/04/2005


Outros sites
   Alexandre Soares Silva
   http://www.apostos.com
   dublês blogspot
   Gymnopedies
   E Deus criou a Mulher
   Altino Machado
   O Espírito da Coisa
   Pensar Enlouquece
   Papagaio Mudo
   Liberté
   Prosa e Verso
   FOLHA DE SÃO PAULO
   O GLOBO
   ESTADO DE MINAS
   Bravo on line
   Le Monde
   Razão Poesia
   TV Enxame
   Guilhermeza
   Apenas ser
   Sententia
   Ótimas mentiras
   Union - Cinema
   Revista Opperaa
   Cris Moreno
Votação
  Dê uma nota para meu blog